Toda mulher tem uma mãe adormecida dentro de si, mesmo aquelas que não quiseram ou não puderam ter filhos. É instintivo e orgânico e está impresso na nossa ancestralidade feminina.

Podemos canalizar essa maternidade não apenas em filhos, mas também em um trabalho que amamos muito, em um projeto ou até em nós mesmas.

Somos mães naturalmente.

Hoje quero parabenizar e homenagear, as mães de anjos, que perderam seus filhos em seus ventres ou logo após o nascimento, não podendo ter tanto tempo com eles.

Quando uma gravidez é interrompida, infelizmente não há validação daquela mãe, mas quando ativamos o gatilho da maternidade, através de um ventre preenchido, não há como voltar atrás…uma mãe nasceu, seja com seu filho no braço, ou com o seu filho no céu.

Escrevo para muitas mulheres, pacientes, amigas e desconhecidas, desejando um feliz dia das mães para vocês que sentem muita dor interna, mas para evitar constrangimento, não verbalizam o seu novo título: mães.

Nossos filhos não estão presentes fisicamente, mas quem viveu isso, sabe que eles vivem em nossos corações e para sempre.

Feliz dia das mães para todas as mulheres, que com seus ventres podem gerar vidas físicas e emocionais e/ou vidas criativas através de projetos que de alguma forma beneficiam e trazem mais cor ao mundo.

Postei esse beija-flor, porque o simbolismo deles é: cura, amor, graça, leveza e renascimento. E é com essa mensagem que deixo o meu amor e empatia para todas as mamães aqui presentes.

Um feliz dia para nós, mulheres, maternas por natureza.