Tenho uma paixão por beija-flores.

Talvez pela beleza e o que eles representam, ou porque tenho histórias pessoais que os envolvam, os tornando ainda mais especiais para mim.

Tenho inclusive, o privilégio de ter uma beija-flor, que lindamente se instalou na janela do meu consultório, há 2 anos atrás, e segue por ali, me visitando e tornando cada vez mais bela, a vista do meu espaço.

Essa beija-flor, me ensina diariamente, algo importante: Existe uma conversa velada acontecendo diariamente entre nós e a natureza.

A correria do dia-a-dia, nos impede de ver tudo o que de sutil se mostra no nosso caminho, tentando nos trazer para o que realmente importa, nós mesmos.

Depois que ela fez morada na minha janela, sempre que a vejo voando por ali, reflito sobre esse aprendizado.

A vida é isso, está acontecendo a cada batida de asa de um beija-flor, por exemplo,  (e olha que a batida é rápida), olhar para isso, nos traz consciência e presença.

De que adianta focar lá na frente, se não somos capazes de sentir o agora?

Essa beija-flor, me ensina a sentir o agora. Ela me tira dessa mira de querer me atropelar tentando chegar a algum lugar, quando na verdade, já estou onde deveria estar.

Todos os dias, a natureza de alguma forma nos convida a olhar para o sutil, falo isso com firmeza, porque depois da beija-flor, comecei a prestar atenção, e sim, há uma conversa silenciosa acontecendo diariamente nas entrelinhas da nossa rotina.

Te convido a observar, não quero que acredite em mim, quero que você perceba e tire suas próprias conclusões.

Finalizo esse texto, com essa frase, que acho que coroa lindamente o que essa beija-flor vem me ensinando:

“A natureza é um portal para entendimentos mais profundos.”
Malcom Carter

Ela nos coloca em contato ao que realmente importa, nos fazendo enxergar o que de mais precioso temos dentro da gente.

E então? O que acha disso? Faz sentido pra você?